Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Projeto que aproveita sementes de açaí é escolhido para 2ª fase de apoio do Serrapilheira
Início do conteúdo da página
Notícias

Biodiesel: mistura B11 entra em vigor em setembro, após aprovada em testes do INT

Publicado: Quarta, 07 de Agosto de 2019, 14h17

 

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) anunciou na tarde de ontem (6/08) o seu 68° Leilão de Biodiesel para o dia 12 de agosto, já voltado para abastecimento do mercado nacional com a nova mistura do biodiesel: o B11. Isso quer dizer que a partir de 1º de setembro, todo o diesel distribuído para os postos do país terá 11% de acréscimo de biodiesel, em substituição ao teor de 10%, da mistura B10, até então em vigor. A autorização para o aumento da porcentagem de uso do combustível renovável partiu do Ministério de Minas e Energia (MME), com base no laudo do Instituto Nacional de Tecnologia (INT), que realizou estudos de curta duração sobre aditivação do biodiesel.

Juntamente com a autorização para uso do B11 o MME divulgou o relatório final do Grupo de Trabalho para Testes com Biodiesel visando consolidar os testes para validar a utilização de biodiesel B15 em motores e veículos. O documento, intitulado Atendimento às recomendações do Relatório de consolidação dos testes e ensaios para validação da utilização de Biodiesel B15 em motores e veículos, traz orientações para consolidar os testes que deverão validar a utilização do biodiesel na proporção de 15% em motores e veículos. O cronograma aprovado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) prevê aumento de 1% ao ano no teor de biodiesel até 2023, quando há previsão de entrar em vigor o B15, já com 15% do biocombustível adicionado ao diesel comercializado no país.BIODIESEL 2019 06 18 lacor amanda oliveira 34web

A base para a validação do B11 foram os estudos conduzidos pelo INT, onde foi possível observar que dosagens crescentes de  antioxidantes já disponíveis no mercado nacional possibilitam o aumento do índice de estabilidade oxidativa  para valores superiores a 12h, que assegura a resistência à oxidação do biodiesel entre a data da sua fabricação e a data de sua adição ao diesel puro nas distribuidoras, sem comprometer sua qualidade. O INT também fez o estudo comparativo da estabilidade no armazenamento da mistura B15 produzida a partir de biodiesel estabilizado com antioxidantes comerciais em diferentes dosagens. Os resultados dos testes foram apresentados em uma reunião na sede do MME, no dia 28 de junho, com a presença de representantes dos setores automotivo, de autopeças, de produção de biodiesel, de distribuidores e da ANP.

Os resultados foram submetidos à Consulta Pública nº 15/2019 da ANP, com audiência pública no dia 16 de julho, e validados por um laudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Recentemente, esses pareceres técnicos foram reconhecidos pela Diretoria Colegiada da ANP, que liberou a comercialização da mistura B11 a partir de 1º de setembro, desde que o biodiesel seja produzido com a adição obrigatória de antioxidantes capazes de exibir o índice de estabilidade oxidativa superior a 12h.

O INT continua promovendo discussões técnicas no sentido da ampliação contínua do uso da utilização do biodiesel em substituição ao combustível de origem fóssil. Entre os dias 30 de setembro e 4 de outubro, o Instituto, pertencente à estrutura do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), sediará o Workshop da Rede de Biodiesel. As discussões serão voltadas aos desdobramentos da Resolução ANP nº 798/2019, que estabelece os parâmetros para validação do B11, e à implementação do B15, incluindo também um painel sobre o uso do biodiesel puro, o B100, com estabilidade.

A organização do Workshop é da Rede Sibratec de Serviços Tecnológicos em Biocombustíveis (RBIOCOMB), coordenada pelo engenheiro de materiais Eduardo Cavalcanti, tecnologista da área de Corrosão e Degradação do INT. Mais informações sobre o evento poderão ser obtidas no site www.rbiocomb.com.br.

DICOM/INT, com informações do MME e da Ubrabio.

Fim do conteúdo da página