Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

Anvisa busca estreitar parceria com INT para realizar novos ensaios

Publicado: Sexta, 19 de Julho de 2019, 14h53
À esquerda, Glória Latuf, Renato Porto e André Silva, da Anvisa, conversam com o grupo do INT (Foto: Amanda Oliveira/INT).
À esquerda, Glória Latuf, Renato Porto e André Silva, da Anvisa, conversam com o grupo do INT (Foto: Amanda Oliveira/INT).

Após ter apoiado a estruturação do Laboratório de Tabaco e Derivados (LATAB), a partir de 2008, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) manifestou interesse em utilizar a estrutura e o conhecimento do Instituto Nacional de Tecnologia (INT) para novos ensaios analíticos. Esta possibilidade foi apresentada pelo diretor da Anvisa, Renato Alencar Porto, em reunião no INT, na última terça-feira (16/07). Segundo Porto, a ideia seria desdobrar o Acordo de Cooperação Técnica (nº 01/2018) já firmado com a Agência, para ampliar o escopo de ensaios prestados pelo Instituto. Como exemplo de possíveis demandas, citou análises químicas em fitoterápicos e para o programa de controle de agrotóxicos em alimentos.

Acompanhado pelos especialistas André Silva e Glória Latuf, da Gerência-Geral de Produtos Derivados do Tabaco (GGTAB), Renato Porto, foi recebido pelo diretor Fernando Rizzo; pela coordenadora de Negócios, Iêda Caminha; pelo coordenador de Tecnologias Aplicadas, Marco Fraga; pelos chefes das divisões de Química Analítica (DIQAN), Simone Chiapetta, e de Ensaios em Materiais e Produtos (DIEMP), Maurício Monteiro. Consultada sobre a possibilidade de atender a novos tipos de análise química, além dos ensaios de tabaco e derivados, Simone Chiapetta, que também gerencia o Latab, confirmou ser possível realizá-las: “dependendo para isso fundamentalmente do desenvolvimento de novas metodologias para cada tipo de produto”.

Iêda Caminha apresentou o histórico de parceria entre INT e Anvisa, que iniciou, em 2002, com a realização de ensaios em implantes ortopédicos e instrumentais cirúrgicos na fase de comercialização, além de análises de falhas em implantes fraturados precocemente (explantes). A partir daí se sucederam convênios e acordos de cooperação. Em 2006, o INT passa a coordenar tecnicamente a Rede Multicêntrica de Avaliação de Implantes Ortopédicos (Remato) e, em 2008, a Rede Sibratec/Produtos para a Saúde. Em 2012, atendendo a uma demanda emergencial da Anvisa, o INT inicia os ensaios e a certificação dos implantes mamários comercializados no Brasil. Nesse mesmo ano, o Instituto inaugura o LATAB, financiado pela Agência, com o objetivo de analisar o tabaco e derivados comercializados no País.

“A Anvisa hoje está entre as cinco maiores agências de Saúde do mundo, mas não conta com laboratórios próprios para realizar suas análises” – destacou o diretor da Agência, Renato Porto, justificando o interesse em estreitar a parceria.

O diretor do INT, Fernando Rizzo, informou a disposição do Instituto em dar suporte a essas demandas, dentro das suas áreas de competência e buscando contar com o suporte de projetos para compensar as limitações de pessoal.

Fim do conteúdo da página