Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Microrganismos que atacam objetos históricos são tema da Terça Tecnológica
Início do conteúdo da página
Notícias

Microrganismos que atacam objetos históricos são tema da Terça Tecnológica

Publicado: Terça, 13 de Junho de 2017, 12h44

Pesquisadora do Laboratório de Biocorrosão e Biodeterioração do INT coleta amostras de microrganismos do trono imperial. (Foto: LABIO/IN)

O conhecimento do Laboratório de Biocorrosão e Biodegradação do Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCTIC) vem sendo utilizado para preservar peças de grande valor histórico para o Brasil. O trabalho, que consiste na identificação e no controle da ação de microrganismos sobre os acervos, integra um acordo de cooperação técnica e científica com o Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) voltado à implementação de projetos e atividades de pesquisa nas áreas de Biodeterioração e Arqueometria. Numa parceria com o Museu Imperial, a ação se incorporou ao recente restauro do trono do imperador Dom Pedro II, em exposição na "Sala do Trono" do museu, situado em Petrópolis.

Coordenada pelo Laboratório de Restauração e Conservação do Museu Imperial, que cuidou dos aspectos mecânicos e químicos de conservação da relíquia histórica, a restauração contou com a coleta de amostras microbiológicas de diversas partes do trono, que foram analisadas no Laboratório de Biocorrosão e Biodegradação (LABIO/INT) indicando a presença de uma série de bactérias e fungos.

Imagem dos fungos Kocuria sp coletados do trono do imperador, ampliadas em microscópio eletrônico. (Fonte: LABIO/INT)

A bióloga Márcia Lutterbach, pesquisadora do LABIO, identificou a semelhança desses microrganismos aos encontrados na berlinda de aparato de Dom Pedro II, que teve seus aspectos microbiológicos estudados pelo mesmo acordo de cooperação, culminando com a indicação das condições ambientais adequadas para preservar futuras contaminações.

 

 

 

Aeronave Muniz M-7. (Fonte: Museu Aeroespacial)

Outra vertente da cooperação INT/Mast tem sido a orientação e suporte a projetos de mestrado e doutorado. A dissertação de mestrado em Preservação de Acervos de Ciência e Tecnologia de Ana Carolina Nogueira de Oliveira, com o tema "Preservação da memória aeroespacial brasileira – Diagnóstico de ocorrência de micro-organismos na aeronave Muniz M.", pelo Mast, foi orientada pelo professor Antonio Carlos Costa – pesquisador e vice-diretor do Museu – e coorientada por Márcia Lutterbach, no INT. O trabalho levou ao diagnóstico no acervo do Museu Aeroespacial, através da coleta de amostras, a fim de detectar a presença de fungos e bactérias e de identificar as possíveis causas da proliferação destes microrganismos. A aeronave Muniz M-7 foi selecionada como principal objeto de estudo, servindo como peça piloto para relacionar a composição dos materiais da aeronave com a ocorrência de fungos causadores de deterioração. O trabalho culminou com o desenvolvimento de uma instrução técnica de procedimento para acompanhamento, avaliação e correção de processos de biodeterioração microbiana em áreas de guarda sem controle ambiental, visando servir de base para a conservação da coleção de aviões.

Fungos da espécie Cladosporium SP retirados do avião Muniz M-7: à esquerda, imagem da cultura purificada, e, à direita, imagem microscopia aumentada 400 vezes (Fonte: PPACT/MAST)A tese de doutorado em Engenharia Química de Fernanda do Nascimento Corrêa, também pela UERJ com orientação de Antonio Carlos Costa e coorientação de Márcia Lutterbach, também coincidiu com outra linha de pesquisa importante do convênio, abordando os "Estudos arqueométricos e de conservação preventiva do patrimônio cultural de papel".  Com apoio de bolsa da Faperj, a pesquisa detalhou efeitos da deterioração em papel, abordando aspectos como a biologia molecular, arqueometria, acidez ou alcalinidade dos papéis, a reatividade dos taninos e a degradação das tintas ferrogálicas.

Detalhes desses trabalhos poderão ser conhecidos na próxima apresentação do ciclo Terças Tecnológicas,  intitulada "Biodeterioração, Arqueometria e Artefatos Históricos", no dia 27 de junho, às 14h30, no auditório do INT (Av. Venezuela, 82 - 4º andar - Praça Mauá - Rio de Janeiro, RJ). Apresentarão as suas linhas de trabalho a doutora em museologia Eliane Machesini Zanatta, responsável pelo Laboratório de Conservação e Restauração do Museu Imperial; a doutora em biologia Márcia Lutterbach, pesquisadora do Laboratório de Biocorrosão do INT; e o engenheiro químico, doutor em microbiologia, Antonio Carlos Costa, professor da UERJ e pesquisador e vice-diretor do MAST.

As inscrições podem ser feitas gratuitamente pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com direito a certificado de participação.

pelo Mast, foi orientada pelo professor Antonio Carlos Costa – pesquisador e vice-diretor do Museu – e coorientada por Márcia Lutterbach, no INT. O trabalho levou ao diagnóstico no acervo do Museu Aeroespacial, através da coleta de amostras, a fim de detectar a presença de fungos e bactérias e de identificar as possíveis causas da proliferação destes microrganismos.
Fim do conteúdo da página