Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Mangueira terá sistema 3D para treinar atletas
Início do conteúdo da página
Notícias

Mangueira terá sistema 3D para treinar atletas

Publicado: Terça, 19 de Julho de 2016, 17h05

2016 07 19 vila olimpica mangueira foto justo davila int web12016 07 19 vila olimpica mangueira foto justo davila int web3

A Vila Olímpica da Mangueira, no Rio de Janeiro, contará com um sistema interativo 3D para auxiliar na formação e no treinamento de esportes coletivos. A tecnologia será implementada pelo Laboratório de Ergonomia do Instituto Nacional de Tecnologia (INT), por meio do Projeto Desenvolvimento de Sistema interativo 3D aplicado ao Desporto Coletivo, apoiado pela Faperj. O projeto foi apresentado durante o encontro de profissionais da Vila Olímpica da Mangueira, no último dia 15 de julho, pelas pesquisadoras Carla Guimarães, do INT, e Sonia Correa, do Laboratório de Ciência do Movimento da Faculdade de Educação Física da Universidade Mackenzie, colaboradora na equipe do projeto.

O sistema, que estará em uso pelos atletas da equipe olímpica brasileira de esgrima, será também desenvolvido na Mangueira, após as Olimpíadas. O equipamento consiste numa plataforma digital 3D, a ser instalada em tablets e celulares, que utilizará modelos biomecânicos tridimensionais dos jogadores. Esses modelos são criados a partir da captura dos movimentos dos atletas por um sistema óptico eletrônico, que inclui uma sequência de 18 câmeras e sensores de movimentos inerciais e rastreamento do olhar.

De posse do aplicativo os professores e treinadores poderão ter uma visão detalhada tridimensional, sob vários ângulos, de posturas e movimentos dos atletas. Com isso problemas podem ser visualizados mais facilmente, permitindo ajustes no treinamento e disseminação das informações necessárias para melhoria da performance de cada um. O uso dos recursos tecnológicos no dia a dia do treinamento dos jovens atletas em formação na Vila Olímpica da Mangueira também permitirá acompanhar o seu desenvolvimento físico e técnico.

“O trabalho será iniciado com as equipes de basquete feminino e depois poderá ser expandido para outras modalidades coletivas”, explica a tecnologista Carla Guimarães, do Laboratório de Ergonomia do INT.

Divisão de Comunicação - INT

Fim do conteúdo da página