Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Pesquisas sobre biodiesel entram na avenida com a Mocidade
Início do conteúdo da página
Notícias

Pesquisas sobre biodiesel entram na avenida com a Mocidade

Publicado: Quarta, 19 de Janeiro de 2011, 14h37

newsletter_42_mocidade-biodiesel

Fonte de energia renovável, cada vez mais utilizada em substituição ao diesel de petróleo, o biodiesel chega à avenida. A inovação no Carnaval é fruto de uma parceria entre a escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel e um grupo de instituições que trabalham no desenvolvimento tecnológico, que inclui o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a União Brasileira do Biodiesel (UbraBio), Cesbra Biodiesel, com apoio a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

O trabalho integra o projeto Divinos Semeadores: da Agricultura ao Biodiesel, que se baseia no enredo da Mocidade para o carnaval 2011: Parábola Dos Divinos Semeadores. o INT realizará, juntamente com a UFRRJ, o preparo e a caracterização da mistura B20, com 20% de biodiesel, feito a partir de óleo de soja, e 80% de diesel.

Essa mistura servirá de combustível para os carros alegóricos, ônibus e geradores usados para o desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel. O INT e a UFFRJ também participam dos testes de emissões nos motores e testes em geradores, a serem liderados pela Fetranspor.  Contará ainda com a parceria da UbraBio e da Cesbra, e o total apoio da Mocidade, que realiza assim a iniciativa pioneira de uso de tecnologias limpas no Carnaval.

A ideia dos parceiros do projeto é popularizar a importância do uso do biocombustível.  O impacto positivo sobre o meio ambiente é uma das principais razões para a adoção crescente do biodiesel e não se resume a ao fato de vir de uma fonte renovável. O biodiesel, obtido a partir de oleaginosas, gera menos emissões de gases responsáveis  pelo efeito estufa, como o dióxido de carbono (CO2). O próprio óleo diesel que será usado na mistura, por sua vez, valoriza o quesito ambiental: será o do tipo S50, com teor de enxofre dez vezes menor do que o convencional e, portanto, menos poluente.

Voltado à pesquisa tecnológica, à promoção da inovação e à transferência da tecnologia à sociedade, o tem como foco o desenvolvimento sustentável do país. Participando ativamente do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, este órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), coordena dois grupos temáticos da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel. Um deles é voltado para a caracterização e controle da qualidade e outro para estudos sobre a estabilidade e armazenamento desse combustível mais limpo.

Essa participação inclui estudos e avaliação de biodiesel e de misturas, como a que hoje empregamos no país, a mistura de 5% de biodiesel adicionado a diesel de petróleo (B5), tanto em laboratório quanto em campo, com recursos do MCT e da Financiadora Nacional de Projetos (FINEP).

Em outra vertente, o INT desenvolve novas tecnologias para produção de biodiesel, incluindo estudos com oleaginosas diversas, como girassol, pinhão-manso, mamona, dendê e macaúba, além de sebo bovino, e até microalgas. Nesse sentido foi recentemente contemplado com recursos do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPQ) para liderar projeto de produção e caracterização de biodiesel de pinhão manso e macaúba.

Divisão de Comunicação - INT

Fim do conteúdo da página